“De volta pro meu aconchego” ou “Sim, deu positivo!”

Eita que faz um tempaço que não escrevo por aqui… A vida cada dia mais prova ser um ciclo, e parece que a parte onde fica a inspiração e a vontade de escrever estão aparecendo por aqui depois de um tempo longo no qual o Facebook fez as vezes de receber lamúrias, comemorações e comentários. Talvez essa súbita vontade de voltar a escrever seja porque eu ando lendo muitos blogs sobre gravidez – assim como lia os de casamento quando me casei  e nasceu o http://digasimpramim.wordpress.com/… E para (re) começar, nada mais justo do que falar do mais importante… quem sabe a vontade de ver a Clara lendo esses posts daqui uns anos (isso se eu não tiver u ataque de pelancas qualquer e não apagar tudo, como fiz com todos os meus outros dez blogs, by the way) explique. … Enfim, não sei porque. Nem sei até quando. Mas quem sabe as atualizações por aqui voltem a ser constantes.

O mar do final do ano passado, e o começo desse ano não estavam lá muito pra peixe. Hoje acredito que tudo fosse um prenúncio de que chamam de “do caos, ao cosmos”. Porque uma coisa era fato: pior do que a vida tava, não tinha como. De A a Z a coisa tava toda cagada. A cereja (estragada) do bolo foi a vó doente, bem doente. Teimei em passar o Carnaval no Paraná, e tome susto de acordar na madruga, vó no Samu, avião de última hora… Quase quinze dias de hospital, leva, trás, dorme,  rende, gasta, não trabalha, não vive… Por isso não foi surpresa eu estar cansada, de péssimo humor, irritada, carente, triste, chorosa…

Passado o pior, graças a Deus, também não me assustei em atrasar um, dois, três dias do ciclo. Stress, claro. Normal. O que não foi normal foi comer meia travessa de bolo de cenoura com cobertura de chocolate de uma vez.

Um dia nessa semana, Digníssimo (na volta do bar) resolve trazer um teste de gravidez. Eu fui meio contra, falando que tinha que esperar mais atraso da menstruação que estava com sintomas e tudo o mais…. que fazer era frescura. Privada, xixi e… “Mas, hein”? Eu mijando de porta aberta e um marido semi bebinho na porta, com cara de criança que vai ganhar surpresa perguntando: “E ai?!”.

Oops!Parece que a segunda listrinha apareceu só de sentir o cheiro do xixi….Eu fique lá: calça arriada, olhando aquelas listras, meio passada… só levantei quando marido começou a chorar feito criança, sentado no sofá. Ele só chorava e eu com aquele troço mijado na mão.

Se eu disser que a ficha tinha caído, estava mentindo. Por ele, era post, aviso, ligação aquela hora mesmo. Eu queria refazer o teste com o primeiro xixi. E quem dormiu? Porque uma coisa é planejar, querer (e isso a gente fez, e muito!). Mas quando o sonho, o plano vira realidade (ainda mais quando a gente já tinha desencanado de pensar em período fértil, tabelinha, pernas pra cima e tudo o mais), a gente fica anestesiada. Eu fiquei. O Marido só chorava e agradecia aos guias.

Dia seguinte, levantei pé anti pé e fui mijar no teste 2 – a missão. Em jejum. De comida, de xixi e de raivinha (sim, esqueci de mencionar que fiquei de raivinha porque ele estava festivinho da cerveja). E lá surgiram as duas listras. Claras. Como água.

Marido levanta, e bóra fazer o tal do Beta HCG. No caminho pro hospital o primeiro a saber foi o Haully, padrinho que ligou pra convidar não sei pra que e ouviu um “agora não dá, estamos indo confirmar uma gravidez.

Confesso: Eu ainda duvidava que estava grávida mesmo. Essa mania que Deus me deu de não ficar muito felizona assim de primeira cascoisa, pra não cair do cavalo, sabe?

Duas horas depois eu tinha gravidez em números! Estava 8708 UI/L grávida. “Se o objetivo desse exame é o diagnóstico de gravidez, o resultado acima deve ser interpretado como POSITIVO”.

Pois é. “Oops, i did”! E não foi “it again”. Era a primeira vez.

 

Eu conto os dias, conto as horas pra te ver…

Ele é bagunceiro, fala dormindo, faz uhum quando você fala mesmo que você não esteja prestando atenção. Ele carrega o tapete do banheiro após o banho até o quarto e deixa ele lá, molhado, até você se dar conta. Ele deixa meias e cuecas no chão do quatro e suja tudo quando resolve cozinhar.
Ele molha a cozinha toda quando vai abastecer o dispenser da geladeira e também te assusta quando vira bruscamente na cama, de madrugada.
Ele rouba sua coberta e seu travesseiro, coloca a perna pesada em cima do seu rim e deixa a casa uma bagunça quando sai depois de você pra trabalhar.
Ele diz que vai voltar antes do rodízio na sexta-feira, mas sempre acaba voltando depois e ele te irrita quando o telefone não pára de tocar a trabalho….
Mas ainda assim, bastam três dias de ausência para parecer que ele está há semanas hora e pra você desejar tudo isso de volta LO-GO!!!

Se eu prender a respiração até morrer, você volta logo dessa convenção, amor???!!!!!

Open House

E foi-se a festa. E deu tudo certo. Algumas considerações…

1º Não choveu! Santa Bárbara e Santa Clara mandaram bem a beça!

2º O ruim de dar uma festa para 200 pessoas é que você sai com cara de lavadeira em todas as fotos…. muito cansativo, mas muito gratificante!

3º Sempre seja amiga da síndica do prédio

4º Nunca se esqueça de fotografar a sua decoração assim que ficar pronta…. porque se for pra deixar pra (5 minutos) depois, já vão ter atacado tudo!

5º Quem tem amigo tem tudo nesse mundo!

6º Quase 200 pessoas pra lá e pra cá… 150 kg de carne, 150 litros de chop e 50 litros de refrigerante, 5 quilos de doce e mais todos os acompanhamentos…. Carai!!!

E vamos as fotos que eu consegui tirar…. pelo menos com as pessaos que eu não vejo sempre, consegui tirar algumas….

Meu amor.. que respeita e acolhe meus amigos, minhas escolhas, minha família. Que faz de tudo – sem exceção – pra me ver feliz… Que só sabe pensar em mim e no meu bem estar.. que só sabe fazer minhas vontades…. Cozinhamos quilos e quilos de comida, espetamos quilos de carne, carregamos chopp, chopeira, andamos uma maratona pelo condomínio, subindo e descendo – primeiro com coisas, depois com as visitas – carregamos mesa, cadeira, presentes… E ainda assim, com essa cara, com mais de 8 horas de festa, ele ainda é capaz de dizer que sou linda e que me ama muito… Obrigada, meu amor.

Juú! Amiga querida que não via a muito tempo… parceira de trabalhos, bilhar, sofrimentos e alegrias de faculdade…

Lello, amigo de FAJUTA, meu levantador oficial de auto estima e sua família linda….

Sawka, seu príncipe e sua princesa. Juro que eu tinha que pegar nessa menina pra acreditar que ela não era uma bonequinha…. e não é.. ela é um anjo encarnado, isso sim! Amiga, obrigada pelas palavras maravilhosas no cartão e na despedida. Choro de alegria é o melhor que tem…. e que a gente tenha muitos assim!!!!

Mais do que amigos de trabalho! Henricão, Gaby e Catito, Nino e Bi (mboka)… Faltou o Guilherme e a Rê que foram embora bem no meio da fogueira da festa e escaparam da foto…

Doug, que na foto anterior estava no banheiro…. muito querido.

Eu desacreditei quando elas chegaram… Carmen e Raquel, meus amores, minhas “pequenas”…. me deixaram muito, muito feliz!

Renê, amigo em comum desde antes de nos conhecermos… “cuidou” dele pra mim até agora!

MCris e Derso…. o casal do presente vermelho lindo…. Diretamente de lá muito longe, pra cá muito longe. A dona dos olhos mais meigos que Lorinho já viu. Empatia e carinho express! Juro que nunca mais vamos ficar tanto tempo sem nos vermos….

Diretamente da terra do nunca, Fer, aquele que nunca cresce! A festa toda achou que era o irmão do Lorinho… amizade que sobre a serra e já dura mais de 10 anos!

Destacando meu irmão-nego-preto-querido, Negão (tchanam!!!). Irmão de fé com minha querida cu, a Bele!

Gi, com o Fi, minha anja da guarda nessa vida, com certeza!

Os irmão gira´fóides e a pequena noiva-anã! Em breve nos cinemas!

Igor Kupstas e sua linda Carina, diretamente de Aphaville para a ZL…. diplomas compartilhados!

Menina Lica, mãe da Menina Valentina e Doni…. veio ver a madrinha ‘casar’…..

O último a sair apaga a luz! Os bêbados que sobreviveram até o final da festa: Andréia do Fer, mommys (que deve estar agradecendo até agora o fato de eu ser filha única… pois o tanto que ela trabalhou nessa festa valeu por 10 encarnações….), Bele, Negão, Leandro, Bolete, Bolão, Markinhos e nós….

Tinha mais tanta, tanta, tanta gente! Meus amigos do terreiro, famílias… mas não deu pra tirar mais foto do que isso… peguei as pessoas quando iam embora e no final, apenas, quando não estava mais loucura.; Pena não ter como mostrar a todos aqui, mas cada presença está registrada em meu coração, colada com muito amor!

Tensão Pré Casamento

Do meu Diga Sim Pra Mim

Tensão pré nupcial ou tensão pré casamento. Quando abrimos mão de uma festa grandiosa, trocando a ‘frescura’ (no bom sentido, noivas) por um churrasco, e uma cerimônia religiosa por algo simples no terreiro e no cartório, Lorinho e eu pensávamos que além de economizar alguns muitos patacos, estaríamos abrindo mão de todas preocupações… Ledo engano.

Claro que as maiores preocupações – principalmente as financeiras – diminuíram 10 vezes… mas estamos uma pilha de nervos os dois, preocupados com ‘tudo dar certo’, principalmente o Open House desse sábado, quando receberemos mais de 150 convidados… Apesar de não ter frescura e de sabermos que não será nada mais do que um churrascão entre amigos, fica o friozinho na barriga de quem quer receber bem. Até aí, normal e contornável.

Mas, está acontecendo algo que eu não sabia explicar e que após um pouco de pesquisa consegui entender: a tensão pré casamento não é apenas aquela tensão relacionada a festa. Não é só a tensão de uma noiva a beira de um ataque de nervos preocupada com bem casados… Tem muito mais do que isso…

Do “Bolsa de Mulher”: Guilherme Bernardes está sentindo na pele o que é a TPN. A pouco mais de uma semana para o casório, ele confessa que a proximidade da data está deixando não só a noiva descontrolada, mas ele próprio também. “Estou tão nervoso que já entreguei convite trocado, e engordei 15 quilos desde janeiro. O terno não cabe mais!”, conta. Segundo Guilherme, o estresse está tão grande que, se o casamento não estivesse marcado, o casal talvez tivesse rompido. “Deve ter quase um mês que não damos um beijo ‘daqueles’. Estou correndo atrás de um monte de coisas e quase não sobra tempo para ficarmos juntos. Quando ficamos, é só de casamento que se fala. E ela quer que eu faça tudo e ainda dê atenção. Não vejo a hora de chegar a lua-de-mel.

Do “Noivas e Cia”: Entre as queixas mais significativas, estão a ansiedade e as dificuldades nos relacionamentos tanto com o parceiro quanto com a família. São mudanças significativas importantes que geram ansiedade, pois a história de vida de uma pessoa é marcada por um conceito positivo ou negativo sobre casamento. Filhos de pais separados, por exemplo, demonstram uma apreensão grande acerca do sucesso de seu casamento. As mães podem começar a ter crises infundadas de ciúmes, entre outras coisas…

E é exatamente por isso que estamos passando: falta de tempo, dinheiro apertado, cobrança de atenção de todos os lados, família pra integrar, suggar pra pregar na parede, fogão pra colocar mangueira, armário pra limpar, presentes pra guardar, os trabalhos de ambos sugando o físico e o intelectual.. tudo preocupação boa, eu sei.. mais ainda assim, preocupações que sugam muito e quase – eu disse quase – tem conseguido apagar o brilho todo do momento. ….

Sem contar que temos que aprender a lidar com nossos próprios anseios: eu descobri que não sou tão foda assim e que ando preocupada em ficar longe da minha mãe e de minha vó – mesmo que por apenas 1,5 km – e por mais que o noivo não se manifeste sobre o assunto, tenho certeza de que também tem seus medos, seus anseios…

Vou falar: tem que ter coragem pra casar.. mas não é por causa das bobagens que falam nas piadas… e sim porque nem todo mundo tem culhão (eu ia falar estrutura, mas não dá a ênfase que eu queria) pra aguentar as pressões que esse momento acarreta. Por muito menos casais já se separam.

Não sei se será a vida toda assim… depois de tudo isso, em breve virão os pequenitos e com certeza outros conflitos internos e externos virão… mas eu acho que tô dando conta.

Consciente disso, ando tentando fazer a minha parte… tirando paciência não sei de onde… – mesmo porque se der força eu mato um! – fortalecendo a fé em Deus… focando no objetivo e onde todo esse caminho tortuoso vai nos levar.

Tô em falta com posts e com fotinhas do ap etc.. mas após esse fim de semana farei tudo isso.. aproveitando o Open House… E se Deus quiser, essa chuva vai passar!