Santa facada

Sou macumbeira e por isso não quero me casar na igreja. Mas, nem por isso deixo de ir a casamentos assim e de achar lindo … mas.. vâmucombiná que os valores forçam?

Igreja cobra mais caro por casamento e impõe serviço

Noivo paga até R$ 6.000 pela cerimônia e tem de contratar serviços que padre indicar

Arquidiocese estabelece que taxa pelo casamento não seja superior à do civil; igrejas dizem seguir norma, mas têm despesas extras

RICARDO GALLO DA REPORTAGEM LOCAL – FOLHA DE SÃO PAULO

Gisele (nome fictício), 29, pagou R$ 2.000 para se casar em uma das mais tradicionais igrejas de São Paulo, a Nossa Senhora do Brasil, na avenida Brasil (zona oeste). Ela nem se importou com o preço -muito acima do estabelecido pela própria Igreja Católica-, mas se surpreendeu ao ser informada de que só poderia contratar os serviços de foto e vídeo, entre outros, que a igreja indicasse.
“Tem que ser tudo do livrinho [a lista da igreja]. É um absurdo. Estava quase desistindo de me casar lá, mas a família do meu noivo queria muito”, disse.
Pelas normas da Arquidiocese de São Paulo, a taxa de casamento religioso não pode ser maior que a do civil -R$ 246,30. O preço sobe para R$ 821, se o juiz for até o local da cerimônia. Já a imposição ou restrição de serviços ao consumidor é considerada prática abusiva pelo Procon.
As duas situações são corriqueiras nas principais igrejas de São Paulo. A reportagem encontrou ao menos sete igrejas que cobram entre R$ 1.000 e R$ 6.000 pelo casamento. E, em quatro, há lista de fornecedores ou serviços embutidos que os candidatos a noivos são obrigados a contratar.
As igrejas, em geral, dizem que o custo de casamento não supera o que a arquidiocese preconiza. Elas usam um expediente previsto pela arquidiocese que lhes permite incluir no custo do casamento despesas não relacionadas ao rito, como gastos com luz, limpeza e estacionamento. E dizem reverter o que ganham para manutenção e obras sociais.
Na Nossa Senhora do Brasil, onde se casou o piloto Felipe Massa, por exemplo, o preço de R$ 2.000 só vale para 2010. No ano que vem, serão R$ 2.200. São cerca de 30 casamentos por mês, em média.
O guia com os fornecedores credenciados tem, entre outros, serviços de floricultura, foto e vídeo. Para estar no guia, cada prestador de serviço paga R$ 2.000 anuais, mais R$ 200 por casamento em que atuar. Embora a igreja admita que é obrigatório, o pagamento é chamado de “contribuição”.
Outras igrejas disputadas fazem o mesmo. A Perpétuo Socorro (Jardim Paulistano) e a Cruz Torta (Alto de Pinheiros) também mantêm “livrinhos” que obrigam o casal a contratar determinados serviços. Em seu site, a Cruz Torta informa que empresas não credenciadas podem prestar serviço de foto, filmagem e decoração, se os noivos quiserem -desde que paguem R$ 1.300 cada uma.
Com o preço mais alto entre os templos consultados (R$ 6.000), o mosteiro de São Bento disse que o valor inclui outros serviços, como o profissional responsável pelo órgão e assessoria cerimonial. O mosteiro permite contratação de prestadores de serviço de fora.
Nas igrejas consultadas, marcar a data do casamento pode exigir certa paciência dos noivos. Na Nossa Senhora do Brasil, por exemplo, a espera pode superar um ano, a depender do dia e do horário.

Fatos e Fotos

Sou jornalista. E como tal, duas coisas têm que ser impecáveis no meu casamento: uma dela é o convite – o modelo está resolvido, estou na saga de achar um papel que pareça com um tal de ‘Silica Blue 250gsm Conqueror Iridescent’ que custa um dos meus rins.

Outra coisa são as fotos!
Aí, tudo bem que as referências são as melhores, que as fotos são maravilhosas e que eu tenho até chances de sair bonita nelas… o serviço é de primeira:

1. Cobertura fotográfica da cerimônia e festa.
2. Segundo fotógrafo.
3. Pacote com 100 fotos para o álbum a ser escolhido pelos noivos.
4. Diagramação de album sugestão.
5. Diagramação do album final.
6. Cd com provas para escolha das fotos que irão para o álbum.
7. Tratamento das imagens.
8. Cd com as fotos escolhidas para o álbum em alta resolução.

Mas………….. R$ 2650,00 – isso mesmo doismilseiscentosecinquentareais – é muito dinheiro… é mais do que estou orçando com a decoração!!!!! Não dá!!! Não tem cabimento! É inaceitável!

Vestido

Mommys me deu o vestido de noiva dela.. a idéia original é reformar e usar aquele monte de pano de 27 anos atrás no meu vestido de hoje…

vestidomommy

Não tenho idéia se será possível…. Também estou autorizada a fazer uma troca, usá-lo para abater valor, etc etc etc…. vamos ver no que vai dar… está iniciada a caça ao vestido!

Alguém tem uma costureira daquelas phodidas?????

Bolo com Champagne

Do Casamento Prático

Ok. A maré não tá pra peixe e, por motivos óbvios, alguns casais optam por não fazer grandes festejos para celebrar seu enlace. Preferem priorizar a grana para montar sua casa ou bancar uma lua de mel inesquecível.
Vergonha nenhuma.
Mas para aqueles que não querem deixar passar em branco fica a sugestão.
Que tal montar um simples bolo com champagne após a cerimônia?
O gasto vai depender do seu orçamento.
Obviamente, quanto mais pessoas forem convidadas, mais vai se gastar.
Este tipo de evento pode ser realizado logo após a cerimônia religiosa, no salão paroquial ou qualquer outro ambiente muito próximo da Igreja/ Templo. Tem duração curta, na média duas ou três horas. Tempo suficiente para agradecer a presença dos convidados, tirar muitas fotos, fazer um brinde e cortar o bolo.
Para este tipo de recepção não é necessário que sejam disponibilizadas mesas e cadeiras para todos os convidados. O ideal é que todos fiquem de pé mesmo, como em um coquetel. Algumas poucas cadeiras ou lounges são importantes, por causa das pessoas mais idosas.
A decoração é bem simples, arranjos mais caprichados na mesa dos bolos e doces. Pode-se servir um mini coquetel com salgadinhos diversos, refrigerante e sucos.
E o bolo, acompanha docinhos finos e bem-casadose é claro: champagne, prosseco ou lambrusco, dependendo do gosto do casal.
A contratação de garçons é importante, para que todos sejam bem servidos no tempo em que estiverem no salão.
Não há necessidade de contratação de DJ, apenas que seja disponibilizada uma música ambiente.
Para ficar claro aos convidados de que não haverá festa, apenas um brinde, fica a dica: no convite deve vir escrito “após a cerimônia os noivos receberão os convidados para um brinde no salão paroquial”. esta é uma maneira elegante de convidar para o bolo com champagne, evitando maiores expectativas.
Com certeza esta é uma maneira econômica de receber os convidados sem deixar de ter um belo album de fotografias depois, afinal de contas, é só isso mesmo que fica, além das lembranças.

Do zero ao milhão: como economizar para poder casar?

do Desencalhamos

Consultor Financeiro, Gustavo Cerbasi, de 35 anos, sentiu na pele o que muitos noivos passam na hora de se casar: de onde vai sair tanto dinheiro para pagar a festa de casamento, comprar casa, montar casa e pagar a lua de mel? Casado desde 2002, tanto ele como a mulher, Adriana, não tinham nenhuma poupança dois anos antes e ganhavam pouco para poder realizar o sonho. Só que ambos descobriram uma fórmula que permitiu, nada menos, pagar uma festa para 400 pessoas, comprar apartamento, viajar para a lua de mel na Europa e (pasmem!) ter R$ 1 milhão aos 31 anos de idade. Hoje, ele só vive de renda.

Autor do livro Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, que já vendeu 600 mil cópias, ele contou ao Desencalhamos a mágica que fez, a qual incluiu ficar sem comprar roupas por dois anos, sair só para passeios gratuitos, levar marmita para vender o vale-refeição e, inclusive, ganhar milhas o suficiente no cartão de crédito para ganhar as passagens para a Europa. “O primeiro passo é se conscientizar de que, sim, a vida mudou. Tentar manter os hábitos de solteiro resultará em dificuldade de transformar esse momento em algo mágico e único, como deve ser.”

Veja abaixo a entrevista, que é a primeira de duas que publicamos nesta semana com consultores financeiros para responder à pergunta: como guardar dinheiro para pagar o casamento? Na próxima quinta, trazemos mais um especialista.

Quando começou a juntar dinheiro para casar, você tinha 24 anos e nem você nem a sua noiva tinham poupança alguma e ganhavam pouco (situação comum para a maioria dos noivos). Como foi a “mágica” de conseguir em apenas dois anos juntar dinheiro para arcar com os custos de uma festa para 400 pessoas, comprar um apartamento e ainda viajar para a Europa em lua de mel?

Não foi mágica, mas sim sacrifício proporcional ao tamanho de nosso sonho. Queríamos uma celebração maior do que nosso orçamento normalmente comportaria, então fizemos um sacrifício maior do que nossos amigos normalmente fariam. Nossa meta era poupar 75% de nossa renda, mas a renda de ambos cresceu nessa fase de poupança e chegamos a poupar até 85% de nossa renda em alguns meses. Deixamos de comprar roupas, presentear, jantar fora, ir ao cinema, viajar e curtir outras coisas que estávamos acostumados a curtir. Também passamos a levar marmita de casa e vender o vale refeição da empresa. Descobrimos que todo sacrifício vale a pena quando tem data para acabar e o objetivo é um grande sonho.

Hoje você pode se dar ao luxo de trabalhar só se quiser. Vive de rendimentos? Como chegou ao seu primeiro milhão?

Nosso sacrifício para o casamento deu tão certo, que conseguimos até comprar um apartamento barato em um leilão. Depois decidimos vender o apartamento (com um bom lucro, pois pagamos barato) para investir o total do preço da venda. O momento era bom para investimentos, então preferimos fazer isso e partir para o aluguel de um imóvel. Continuamos poupando, investimos em ações no meio de uma crise e, três anos depois, chegávamos ao primeiro milhão. Hoje posso viver só dos rendimentos de meu patrimônio, que pagam com sobras o custo de minha família. Mas gosto de meu trabalho, dessa multiplicação de boas idéias e felicidade, e continuo trabalhando e vendendo livros. Isso aumenta meu patrimônio e consequentemente a renda que posso tirar mensalmente.

Para noivos, como nós, que estão começando o processo do casamento, quais regras você sugere adquirir para começar a poupar? Qual é o primeiro passo: fazer as contas de quanto se ganha e quanto se gasta e estabelecer uma meta? Como fazer isso?

O primeiro passo é se conscientizar de que, sim, a vida mudou. Tentar manter os hábitos de solteiro resultará em dificuldade de transformar esse momento em algo mágico e único, como deve ser. O primeiro passo é relacionar os itens que o casal quer que conste em sua celebração de casamento, lua-de-mel e decoração da moradia. Depois, deve-se estimar o valor total que devemos ter para viabilizar essa passagem, e então fazer as contas de quanto poupar por mês e durante quanto tempo para conseguir esse valor.

Então, deve-se mapear o consumo do casal, identificando quanto cada um gasta por mês, e discutir a dois quais cortes serão feitos para chegar ao valor mensal de poupança. Se o casal ainda mora com os pais, é mais fácil fazer cortes e adotar uma vida mais simples, como uma espécie de ritual para o casamento. Em muitos casos, será necessário vender o carro, desistir da ideia da casa própria e adotar um padrão de vestuário e lazer mais simples. Para acertar nas contas, é recomendável utilizar cálculos de matemática financeira, ou simuladores adequados, como os que disponibilizo gratuitamente através do site http://www.maisdinheiro.com.br/.

O cartão de crédito deve ser evitado?

O cartão de crédito não é problema. O problema é não saber com o que você gasta. No meu caso, o pouco que eu e a Adriana gastávamos era tudo concentrado no cartão, o que resultou em uma passagem de ida e volta grátis para a lua-de-mel, resultado do acúmulo de milhas.

E quão rígidas devem ser essas regras para que se consiga guardar a mesma quantia todo mês? É recomendável adotar alguma espécie de controle, seja no Excell ou em papel mesmo?

Quanto mais simples o controle, melhor, para que o casal dedique tempo ao que realmente importa, que são as escolhas dos detalhes e o controle dos investimentos. Mas as regras devem ser rígidas. Se a meta é poupar, por exemplo, 50% da renda, isso deve acontecer no momento em que a renda cai na conta, e não no final do mês.

Que tipo de aplicação financeira é mais recomendável hoje para que o dinheiro não fique parado? Pelos que os jornais dizem, a poupança hoje é a mais indicada. É mesmo? Por quê?

Para quem aplica um pouco todos os meses e com horizonte inferior a dois anos, a caderneta de poupança é realmente a melhor alternativa, pois é previsível, extremamente segura e sem incidência de imposto de renda sobre os ganhos. Deve-se apenas tomar cuidado com o momento do resgate, evitando perder um mês de rentabilidade por sacar o dinheiro poucos dias antes de completar o aniversário da caderneta.

Na hora de começar a pagar as contas da cerimônia do casamento e da lua de mel: é recomendável ter todo o dinheiro em mãos ou é mais vantagem pagar em prestações? Existe um meio termo?

Normalmente, não há como fugir do pagamento de um sinal, para assegurar a reserva de data do serviço contratado. Se o preço é o mesmo pagando em prestações ou deixando para pagar próximo ao casamento, prefira dar o menor sinal possível e deixar para pagar tudo lá na frente. Isso permitirá que o dinheiro poupado se multiplique com os rendimentos da poupança durante o tempo em que ele ficar aplicado.

Não vou entrar muito em detalhes, pois essa é uma discussão que pretendemos ter no futuro aqui no blog, mas um dos pontos polêmicos que você levanta é que, hoje, é mais vantajoso financeiramente para um casal recém-casado morar de aluguel do que comprar uma casa. Por quê?

O raciocínio é simples de entender. Normalmente, se um jovem casal for comprar uma casa, terá que se endividar por muitos anos, pois ganha pouco e tem um histórico de relacionamento com o banco pobre. Pensando que irá morar no imóvel por vários anos, esse casal será obrigado a comprar um imóvel de dois ou três dormitórios, já contando com a possibilidade de filhos. Em geral, a consequência é que o casal se vê diante de uma prestação elevada, esmagando seu orçamento. Porém, levando em consideração que um jovem casal ainda está batalhando para crescer na carreira e ainda deseja muitas mudanças em sua vida, esse momento não é o ideal para definir sua moradia dos próximos dez ou vinte anos.

O ideal é morar em um imóvel pequeno, um dormitório, próximo ao trabalho de um dos dois (o que dispensa um automóvel), e preferencialmente pagando um aluguel reduzido, que permita ao casal formar uma boa poupança. Se uma promoção envolver uma mudança de cidade, ótimo! Ninguém estará preso a uma moradia e um longo financiamento que o obrigue a se deslocar por muitos quilômetros e investir pesado no gasto com transporte. Mude-se para onde lhe pagam mais! O momento ideal de comprar uma casa própria será mais para frente, quando a vida estiver em voo de cruzeiro, vocês já souberem o tamanho da família, não quiserem mais mudanças significativas na carreira, já tiverem uma renda maior e um bom fundo de garantia para ser sacado e oferecido como entrada, para viabilizar uma compra financiada em poucos anos. Provavelmente, quem pensar assim ainda estará comprando a casa própria contando com uma boa reserva financeira no banco.

Ainda com relação ao aluguel x compra da casa: enquanto solteiros, muitos noivos têm, teroricamente, mais facilidade para guardar dinheiro, uma vez que moram com os pais, etc. Sendo assim, teoricamente,
como no seu caso, seria possível guardar 75% do salário para a poupança da compra da casa. Entretanto, uma vez que se casa, há despesas com água, luz, internet, alimentação, etc., etc., etc. Uma vez que se more de aluguel, como coseguir continuar a poupar no mesmo ritmo após o casamento? Nessas condições, a compra da casa ocorre a longo prazo?

Provavelmente, o nível de poupança diminuirá, e isso é aceitável. Após os primeiros seis meses do casamento, quando há muitas contas a pagar, deve-se adotar um mínimo de poupança de cerca de 10 a 20% da renda. A compra do imóvel, como expliquei, não precisa contar com a poupança. A maioria das pessoas contará com o FGTS, com uma renda maior e com um melhor relacionamento bancário (decorrente do bom nível de poupança) para adquirir um financiamento barato e passível de ser pago em poucos anos, idealmente em menos de dez anos.

Dinheiro, dinheiro, dinheiro…

Do Vestida de Noiva…

Quanto custa casar? Meninas, não me perguntem isso porque essa é difícil responder! Depende do tamanho do seu sonho, do local da sua cerimônia e festa, quantidade de convidados e qualidade dos fornecedores a serem contratados. Mas com certeza existe uma festa de casamento que combina direitinho com você e com o tamanho do seu bolso.

Peça sempre orçamento para no mínimo 3 fornecedores diferentes, negocie muito, anote tudo e pense muito bem antes de tomar qualquer decisão, você tem que estar 100% segura e não pisando em nuvens, por favor!

O primeiro passo e sentar e conversar com todos os envolvidos para estabelecer um valor, um budget a ser gasto para a festa. E respeitar esse valor combinado. Ok, todo mundo acaba passando um pouquinho o budget, mas não mais que 10%. Não perca o controle, lembre-se, jamais começar a vida a dois com dívidas!

As vezes adaptações são fundamentais para se manter dentro do budget. Se você sempre sonhou com um casamento formal cheio de pompa e buffet estilo francês ou inglês, talvez seja melhor diminuir a lista de convidados para poder manter o alto padrão da festa. Por outro lado, se você sonha com uma festa de arromba com muito convidados, um casamento informal com buffet estilo americano é melhor. E assim por diante.

Do livro Casar, da Vera Simão (também vi em alguns sites americanos), essa lista abaixo pode te dar uma ideia da média gasta com cada fornecedor na realização de um casamento:
Local da cerimônia – 8%
Decoração – 15% (incluíndo buquê da noiva)
Alimentos e Bebidas – 30% (incluindo bolo, doces e serviço)
Roupa da Noiva e do Noivo – 10% (incluíndo maquiagem e cabelereiro)
Música – 8% (cerimônia e festa)
Fotografia e Filmagem – 12%
Papelaria – 3%
Lembranças – 3%
Cerimônia religiosa e civil – 3%
Transporte e estacionamento – 3% (aluguel do carro para noiva e serviço de manobristas)
Vários – 5% (custos extras – estes sempre aparecem)