De volta e em dilema…

A natureza chama. O marido clama. E cá estou eu pensando em engravidar. Quer dizer: pensando em parar com o remédio, eliminar as barreiras e deixar na mão de Deus, como disse meu amigo Guilérme.

Eu, que nem pensava em casar, agora penso em ser mãe! Veja só. Eu tenho bons exemplos perto. Vejo o Markinhos da Bele e do Negão, vejo o Victor da Bianca, vejo a linda Annalu da Anna e do Ale, vejo a Renata dando conta de gêmeos, a Kris e seu linducho, a PV… nem precisa pensar muito!

Ah, claro que precisa. Sou neurótica e estou pensando em um ‘problema’ por dia. Na sexta foi o dia de pensar na vida profissional. Trabalho a quase quatro anos no mesmo local e acho que todas as mães passam pela preocupação da volta pós-licença. Afinal, são meses longe do trabalho. A estabilidade obriga que seu chefe te engula por mais 5 meses (6 dependendo da convenção), então, na pior das hipóteses, é nisso que temos que pensar. Mas, o que me deixou tranqüila foi pensar que, caso haja uma mudança de trabalho no próximo ano – afinal, nunca ninguém está livre disso – terei que esperar mais alguns anos para engravidar (porque e engravidar com pouco tempo de empresa é chato – terei que esperar mais tempo e não é o caso. Momento profissional: ok!

Lorinho diz que ‘não quer ser avô, que já está com 30. Eu do lado de cá, penso que 26 é uma boa idade e que quanto mais velha a gente fica, aumentam os riscos de problemas, etc . Idade: ok!
Já ouvi “ahhhhhhh, com tão pouco tempo de casada… curte mais um pouquinho”…. Primeiro: o que eu perderia por estar grávida nos próximos nove meses? Pular de pára-quedas? Eu passo. Baladas? Já passei. Estou esquecendo algo?
Segundo: Marido quer muito. Eu também quero, apesar da racionalização e do medo…. Momento pessoal: ok

Meu único problema atende por: cocô. E vômito. Sério. A dúvida é: será que sou capaz de olhar para uma fralda cheia de bosta de neném e trocá-la? Ou será que consigo ficar firme diante de uma bela vomitada azeda? As mamães que me perdoem, mas é o lado racional da coisa… Será? Existem crianças auto-limpantes? Momento cocô: oh, dúvida cruel!

Eu e minha mania de listas prós e contras…

Anúncios

A novidade

Eu tinha certeza de que, planejadora-preocupada-neurótica como sou, não conseguiria fazer nada efetivo da festa de casamento sem antes ter um teto habitável.

Pois bem: Passo um, dado. TEMOS UM AP! Minha casinha…. A ficha ainda não caiu e eu estou um pouco anestesiada… talvez quando começarem a cair os cheques da mobília eu acorde. Mas por enquanto, m deixa, que eu tô nas nuvens…

Meu melhor amigo…

Do Bem Legaus

Mesmo quem não gosta de whisky já ouviu falar de Johnie Walker. Então que tal este lançamento, o mais caro da destilaria, que irá custar a bagatela de 3.000 dólares a garrafa?! O ultra-premium scotch, batizado de “The John Walker” em homenagem ao fundador da marca, foi lançado oficialmente no último dia 24, na DFS do aeroporto Changi em Cingapura. Ele foi considerado como o “auge” do Johnie Walker Blue, o mais aclamado até então. Para chegar ao sabor do “The John Walker”, foi usado um pequeno número de uísques raros e exclusivos, todos oriundos de destilarias que operavam nos idos de 1800. A primeira e exclusiva garrafa será leiloada e o dinheiro arrecadado irá para uma fundação chamada “The Smile Train” (ajuda crianças com lábio leporino). Se beber o “Johnie Blue” já foi uma meta alcançada, esta vai ser bem mais difícil de experimentar.